Radiologia Brasileira - Publicação Científica Oficial do Colégio Brasileiro de Radiologia

AMB - Associação Médica Brasileira CNA - Comissão Nacional de Acreditação
Idioma/Language: Português Inglês

Vol. 55 nº 4 - Jul. / Ago.  of 2022

ARTIGO ORIGINAL
Print 

Page(s) 216 to 224



Ressonância magnética de 3.0-T na osteoporose pós-menopausa: estudo prospectivo e revisão da literatura

Autho(rs): Mirko Trentadue1,a; Carlo Sozzi2,b; Luca Idolazzi3,c; Gianluigi Lazzarini4,d; Riccardo Sante Murano1,e; Davide Gatti3,f; Maurizio Rossini3,g; Enrico Piovan2,h

PDF English

Texto em Português English Text

Descritores: Osteoporose; Pós-menopausa; Corpo vertebral/patologia; Imageamento por ressonância magnética multiparamétrica/métodos; Medula óssea/patologia.

Keywords: Osteoporosis; Postmenopause; Vertebral body/pathology; Multiparametric magnetic resonance imaging/methods; Bone marrow/pathology.

Resumo:
OBJETIVO: Promover pesquisas avançadas usando ressonância magnética (RM) no diagnóstico e rastreamento de osteoporose, procurando correlações entre os escores T medidos por absorciometria de raios-X de dupla energia (DEXA), valores de coeficiente de difusão aparente (ADC) na difusão e valores de intensidade de sinal ponderado em T1.
MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo prospectivo de mulheres na pós-menopausa sem contraindicações para RM e sem histórico de câncer que foram submetidas a DEXA 30 dias antes ou após o exame de RM. Um scanner 3.0-T foi utilizado para adquirir sequências sagitais direcionadas à coluna lombar.
RESULTADOS: Treze mulheres foram submetidas a DEXA e RM. Em dois casos, a RM foi interrompida precocemente. Portanto, a amostra final foi composta por 11 pacientes. Os valores de ADC e intensidade de sinal ponderado em T1 foram mais elevados nas pacientes com osteoporose. No entanto, no subgrupo de pacientes > 60 anos de idade com osteoporose, os valores de ADC foram menores e a intensidade do sinal ponderado em T1 foi ainda maior.
CONCLUSÃO: É improvável que a RM substitua DEXA para a investigação diagnóstica da osteoporose no futuro próximo. Embora a difusão e o mapeamento ADC sejam úteis para a compreensão da fisiopatologia da osteoporose, acreditamos que as sequências ponderadas em T1 são mais sensíveis do que a difusão como meio de realizar uma análise qualitativa das alterações vertebrais.

Abstract:
OBJECTIVE: To promote advanced research using magnetic resonance imaging (MRI) in the diagnosis of and screening for osteoporosis by looking for correlations among the T-scores measured by dual-energy X-ray absorptiometry (DEXA), the apparent diffusion coefficient (ADC) values on diffusion-weighted imaging (DWI), and the T1-weighted signal intensity values.
MATERIALS AND METHODS: This was a prospective study of postmenopausal women with no contraindications to MRI and no history of cancer who underwent DEXA within 30 days before or after the MRI examination. A 3.0-T scanner was used in order to acquire sagittal sequences targeting the lumbar spine.
RESULTS: Thirteen women underwent DEXA and MRI. In two cases, the MRI was discontinued early. Therefore, the final sample comprised 11 patients. The ADC values and T1-weighted signal intensity were found to be higher in patients with osteoporosis. However, among the patients > 60 years of age with osteoporosis, ADC values were lower and T1-weighted signal intensity was even higher.
CONCLUSION: It is unlikely that MRI will soon replace DEXA for the diagnostic workup of osteoporosis. Although DWI and ADC mapping are useful for understanding the pathophysiology of osteoporosis, we believe that T1-weighted sequences are more sensitive than is DWI as a means of performing a qualitative analysis of vertebral alterations.


 
RB RB RB
GN1© Copyright 2022 - All rights reserved to Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Av. Paulista, 37 - 7° andar - Conj. 71 - CEP 01311-902 - São Paulo - SP - Brazil - Phone: (11) 3372-4544 - Fax: (11) 3372-4554